Sexta-feira, 28 de Outubro de 2005

- Candidatura de Cavaco


Candidatura de Cavaco é a candidatura do grande capital

Maquilhagem para esconder a real natureza da sua candidatura – uma candidatura de submissão do poder político ao poder económico – e da uma visão instrumental dos partidos que o apoiam pelos homens do grande capital. É este D. Sebastião do século XXI que deixou o País numa profunda crise após dez anos do seu Governo, que se pôs em fuga perante o desastre da sua política e que o povo português maioritariamente condenou e derrotou que se apresenta agora, messiânico, a oferecer a salvação do País. O governante que trocou o futuro e a defesa da nossa agricultura, das pescas e da nossa indústria por uma mão cheia de Ecus que se esvaíram por entre os dedos dos poderosos, como o ouro do Brasil, ficando o País mais pobre e exaurido.
Cavaco Silva faz parte desse cortejo de ex-governantes que têm o monopólio dos espaços de debate, onde se sentam apenas os «prós» e onde os «contras» são, quando são, a flor decorativa para salvar as aparências e que, do alto do seu pedestal e quantas vezes com petulante jactância, passam a vida a dar receitas e a apontar caminhos, mas que sempre que assumiram responsabilidades deixaram o País pior do que o encontraram.
Não há camuflagem que esconda as enormes responsabilidades e as malfeitorias dos governos de Cavaco Silva, a sua arrogância e o seu autoritarismo. E se o tempo as pode fazer esquecer, e as outras candidaturas o deixam passar em branco, a nós compete lembrá-lo.
Foi Cavaco Silva que, durante os dez anos que esteve à frente do governo do País, que protagonizou uma das maiores ofensivas contra os direitos individuais e colectivos dos trabalhadores e deu rosto ao mais grave desrespeito pelos valores e princípios básicos do regime democrático com uma prática governativa à revelia e contra a Constituição da República.
Foi com Cavaco Silva e no seu ciclo governativo que se iniciou o processo de subversão das leis laborais, da lei da greve, dos despedimentos, abrindo as portas aos despedimentos colectivos e ao aumento da idade da reforma das mulheres dos 62 para os 65 anos, que executou o primeiro acto repressivo contra elementos das forças de segurança.
Foi Cavaco Silva que, insensível às injustiças, promoveu um redobrado ataque ao trabalho com direitos, apoiou e incentivou as rescisões e as pré-reformas forçadas de acordo com os interesses do grande capital e aprofundou as desigualdades sociais
Foi com Cavaco Silva no governo que se acelerou o processo de reconstituição das grandes fortunas e de entrega do melhor património público empresarial, nomeadamente as empresas dos sectores básicos ao capital estrangeiro. Olhando para os seus mais destacados apoios é caso para dizer que «amor com amor se paga».
Não é por acaso que ainda hoje Cavaco Silva tem o apoio incondicional dos grandes senhores do dinheiro e dos grandes interesses, dos Belmiros, dos Teixeira Pinto do BCP, dos Dias Loureiro do BPN.
Realidade bem patente também nos apoios e na constituição do núcleo duro da sua campanha, a começar pelo seu director de campanha, um dos fundadores do conclave do Beato e acérrimo defensor dos despedimentos selvagens.
Foi Cavaco Silva, o responsável pela entrada sem preparação de Portugal na moeda única que conduziu à perda de mais de 20% da nossa competitividade em relação à média europeia.
É este o candidato da instabilidade democrática com o qual a direita acalenta a esperança de subversão do sistema de poder constitucionalmente consagrado e de um presidencialismo autocrático. Esta é a candidatura que se impõe derrotar no próximo mês de Janeiro!

A Bandeira Vermelha editou às 20:25

link do post | comentar | favorito
4 comentários:
De Anónimo a 31 de Outubro de 2005 às 06:28
Voice_Of_The_Opressed, Caro amigo, peço-te que após teres visitado a Bandeira vermelha, visites AGORA http://bandierarossa.blogs.sapo.pt/
Ali pode ver que partilho PESSOALMENTE da sua opinião.
Já agora peço-lhe se quizer comentário no seu blog tem que fazer alterações pois só pode comentar quem esteja inscrito no seu servidor.
Um abraço.Bandiera Rossa
(http://bandierarossa.blogs.sapo.pt/)
(mailto:basta@sapo.pt)
De Anónimo a 30 de Outubro de 2005 às 22:43
Caro Camarada, se é que me permite a ousadia, nao sou comunista, nem socialista nem bloquista; sou simplesmente de esquerda e revejo-me nalgumas ideologias da chamada social-democracia, humanismo e da esquerda de matriz marxista revisionista; Sou um admirador de marx e engels mas considero a sua obra como diamante em bruto que precisa de ser trabalhada para dar os seus frutos...gostei de alguns posts que aqui publicou~, de outros discordo naturalmente mas numa coisa penso que estamos de acordo; o pais nao pode continuar com as politicas que tem sido seguidas ate aqui pelos sucessivos governos, e quanto ás presidenciais, bem...vejo uma direita arrogantemente unida e uma esquerda fragmentada e assustada; a candidatura que me parece mais coerente é a de manuel alegre que se assume à esquerda mas independente de qq partido, todos os outros sao ferramentas ao serviço dos aparelhos partidarios, será que nao tem noçao q dão de mao beijada a vitoria ao opositor??Voice_Of_The_Opressed
(http://dreamsofsand.blogspot.com)
(mailto:pics@iol.pt)
De Anónimo a 29 de Outubro de 2005 às 14:37
Pois é Bruno as palavras tem o seu peso...
Mas quem as profere lá sabe onde quer chegar.A Bandeira Vermelha
(http://abandeiravermelha.blogs.sapo.pt/)
(mailto:x04658032000@yahoo.com.br)
De Anónimo a 29 de Outubro de 2005 às 13:52
Só tenho pena de que não digam, apostem na nossa candidatura, e não digam vamos derrotar aquele...
é pena mas era mais bonito.Bruno
</a>
(mailto:bruno_pessoal@oninet.pt)

Comentar post