Sábado, 3 de Dezembro de 2005

- Independência e soberania

 
Candidatura comunista divulga declaração
Independência e soberania
Valores inalienáveis

 

Na véspera da entrega no Tribunal Constitucional das assinaturas necessárias à formalização da candidatura de Jerónimo de Sousa à Presidência da República, o candidato fez uma declaração sobre Soberania, Defesa Nacional e Forças Armadas, na qual defendeu os princípios irrenunciáveis da independência e soberania nacionais e exigiu a dissolução da NATO e outros blocos político-militares.

«A independência e a soberania nacionais são valores inalienáveis», afirmou Jerónimo de Sousa no passado dia 23. O candidato comunista rejeitou o «espartilho em que as grandes potências da NATO e da União Europeia», que pretendem aprisionar essa soberania e independência e assumiu a «participação empenhada do nosso País na solução pacífica dos problemas internacionais, com base em critérios de igualdade, respeito mútuo e não ingerência».
Jerónimo de Sousa considerou estar em curso uma poderosa ofensiva militar, económica e ideológica lançada pelos Estados Unidos da América no seguimento do 11 de Setembro. Ofensiva que, na sua opinião, tem como objectivo o aprofundamento da sua política expansionista, de subverter a ordem internacional e de hegemonizar e instrumentalizar instâncias internacionais», como a ONU e a Organização para a Segurança e Cooperação na Europa (OSCE).
Entretanto, alertou, vai-se «concretizando a política de militarização da União Europeia, como pilar Europeu da NATO, e a sua estratégia de segurança», que conta como referência o Conceito Estratégico da Aliança Atlântica. Para o candidato, este caminho é contrário ao interesse dos povos e «indesejável para a paz e para Portugal», num quadro em que o Conceito Estratégico de Defesa Nacional «não projecta nem garante uma estratégia assente no primado dos interesses nacionais».

Dissolver a NATO

Jerónimo de Sousa entende que Portugal deverá, em todas as situações, ser «parte activa e impulsionadora do processo de desarmamento e de reforço dos mecanismos internacionais de segurança colectiva». Este processo, acrescentou ainda, teria de ser orientado no sentido da dissolução da NATO e do impedimento da criação de novos blocos político-militares.
O candidato comunista entende que a participação de tropas portuguesas em operações militares no estrangeiro deverá ser efectuada no rigoroso respeito pelo direito internacional, e ponderada caso a caso. Em seguida, rejeitou liminarmente a participação das forças armadas nacionais em quaisquer missões fora do quadro da ONU ou da OSCE.
Jerónimo de Sousa lembrou que cabe ao Governo a condução da política externa e de defesa nacional, mas destacou que este «não a pode conduzir sem o Presidente da República e muito menos contra a sua vontade». O candidato recordou ainda que o Presidente da República é um garante da independência nacional e o Comandante Supremo das Forças Armadas, e que é a ele que cabe declarar a guerra e a paz.

Uma nova visão estratégica

Jerónimo de Sousa rejeita as teses segundo as quais Portugal não deve ou não necessita de assegurar nenhuma capacidade autónoma de defesa e que os sistemas de defesa colectivos devem prevalecer sobre os sistemas nacionais de defesa. Na opinião do candidato comunista, é necessária uma nova visão estratégica para as Forças Armadas, de carácter «nacional e democrática, que favoreça os princípios da coesão e do desenvolvimento».
Assumindo a necessidade de um «verdadeiro projecto de reestruturação e redimensionamento das Forças Armadas», o candidato presidencial recusa, no entanto, uma Lei da Programação Militar, com o altíssimo valor de 215 milhões de contos para seis anos, e que «não tem em conta a realidade económico-financeira do nosso país, nem contempla uma visão estratégica realista para Portugal, mas tão só os compromissos externos, nomeadamente com a NATO».
Jerónimo de Sousa rejeitou ainda a utilização de Portugal como «testa de ponte» da NATO e da União Europeia junto dos países africanos, nomeadamente dos PALOP. Não negando a necessidade da cooperação com os países africanos de língua portuguesa, incluindo na vertente técnico-militar, o candidato comunista afasta qualquer tendência para a substituição da cooperação pela constituição de forças de intervenção rápida para intervir em teatros de operações naquele continente.

Direitos dos militares postos em causa

O candidato presidencial comunista não esqueceu de referir, na sua declaração sobre Soberania, Defesa Nacional e Forças Armadas, a situação de mal-estar que se vive no seio das forças armadas portuguesas. Na sua opinião, a situação resulta da não resolução de problemas «nomeadamente a concretização de aspirações e expectativas em relação às carreiras e ao sistema retributivo, agravada pelas medidas do actual Governo que põem em causa os direitos de cidadania dos militares e degradam o Estatuto da Condição Militar».
Jerónimo de Sousa recordou que foi nos governos do também candidato Cavaco Silva que se alterou o método de escolha das chefias militares, no sentido «governamentalizador de que hoje alguns falam». Foi também com Cavaco Silva, lembrou, que foi «inventado e mal aplicado um Novo Sistema Retributivo cujos negativos efeitos ainda hoje perduram» e que inúmeros militares «foram punidos por pretenderem a consagração do associativismo militar».
A finalizar, o candidato assumiu o compromisso de «projectar uma nova visão nacional para o problema das nossas Forças Armadas», que combata as consequências das opções políticas sucessivamente tomadas, que têm conduzido à «acumulação de problemas, contribuindo assim decisivamente, para a diluição de tensões como as que vimos assistindo nos últimos tempos, com situações de intensa inquietude, expressa em variadas iniciativas promovidas pelas associações militares, que têm movimentado oficiais, sargentos e praças dos três ramos das Forças Armadas».
Para Jerónimo de Sousa, ao Presidente da República compete dar uma importante contribuição para a resolução dos principais problemas, alguns urgentes, com que se debatem as Forças Armadas e os militares.
 

 
A Bandeira Vermelha editou às 10:31

link do post | comentar | ver comentários (2) | favorito
|

Junho 2012

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab
1
2
3
4
5
6
7
8
9
10
11
12
13
14
15
16
17
18
19
20
21
22
23
24
26
27
28
29
30

pesquisar

 

Artigos Recentes

Não calam a censura. Ela ...

Moção de censura ao Gover...

GREVE GERAL dia 22 Março ...

O partido que esclarece, ...

Rejeitar o programa de ag...

Intervenção de Jerónimo d...

Faz pensar...

VOTE CDU

O PS não compreendeu... n...

Participa...

Arquivos

Junho 2012

Março 2012

Setembro 2011

Março 2011

Setembro 2009

Maio 2009

Abril 2009

Dezembro 2008

Julho 2008

Junho 2008

Abril 2008

Março 2008

Fevereiro 2008

Dezembro 2007

Outubro 2007

Setembro 2007

Agosto 2007

Julho 2007

Junho 2007

Maio 2007

Abril 2007

Março 2007

Janeiro 2007

Novembro 2006

Outubro 2006

Setembro 2006

Agosto 2006

Julho 2006

Maio 2006

Abril 2006

Março 2006

Fevereiro 2006

Janeiro 2006

Dezembro 2005

Novembro 2005

Outubro 2005

Junho 2005

Maio 2005

Mundo Laboral


A voz do proletário

Reforma Agrária

Esquerda Portuguesa


Partido Ecologista Os Verdes

Partido Comunista Português

Juventude Comunista Portuguesa

PCP - Boletim «O Militante»

Jornal «Avante!»

Sindicato - esquerda


CGTP - Confederação Geral dos Trabalhadores Portugueses

Esquerda no mundo


PCdoB - Partido Comunista do Brasil

VERMELHO . A esquerda bem informada.

PARTIDO COMUNISTA DE ESPAÑA

Κομμουνιστική Νεολαία Ελλάδας  Αρχική Σελίδα

Communist Party of Greece

Partido Comunista de Cuba

Camaradas de luta


Poder Popular

Explorados e Oprimidos

Vítimas do terrorismo

O Revolucionário

Unidade POVO/MFA


Bandiera Rossa

O anti-capitalista

O Verdadeiro Socialismo

ESPAÑA ROJA

Rádio e videos online




Estou no...


Estou no Blog.com.pt



PORTUGAL, ontem, hoje e sempre...
 

blogs SAPO

subscrever feeds

tags

todas as tags